24 novembro 2015

LIBRIANIDADE

Por baixo dessa pele, existe uma tristeza que é infinita
com olhos de melancolia 
uma alma cansada de fingir
sobre o quanto tudo deveria ser melhor
nada basta
nada é bom
nada me acalma
um abraço agora seria bom
pra respirar fundo 
e procurar ar pra continuar vivendo
mesmo nesse abismo de medo e solitude
mesmo que amanhã seja pior
a gente finge que vai ser melhor

03 novembro 2015

DESAGUAR

De pé em pé
de mão em laço
tô bem de abraço
mas feito zé

sou sã de fato, mas as loucuras da vida me desabam
alguns dias mais fáceis que outros

outros dias desaguo em mar
Vou me deixando levar pra um dia qualquer me encontrar

17 setembro 2015

TÃO

Tô de casa nova
Me mudei pr'onde me faz feliz
Pr'onde me querem bem
E me querem
E só de estar aqui já me sinto bem
E só de te ver sorrir
Já sorrio também
Se quiser lugar, sabe que aqui sempre tem

Tem luz
Tem mar de vontade
E esse quarto de chuva que me acalma toda a alma de uma vez só
Não é preciso pestanejar
Só ser e migrar pra cá 
E onde até minha loucura lhe parece sensata
e o vão de cumplicidade é o que gera mais vontade
Tô mais pra sol que pra mar
Tudo agora parece me aquietar a ansiedade, o som é de calmaria

08 agosto 2015

PELE EM FLOR

Tenho tanto pra contar que mal cabe nos meus dedos
me agito com a ansiedade
tô bem a beça, mas hora ou outra fico mal

ter a pele em flor
estar à flor da pele
coisa difícil de conter

que fazer quando se é o mundo todo e o mundo todo não é seu?

sorrio de canto
procurando acalmar minhas bochechas avermelhadas
o lago dos meus olhos diz mais do que eu
e eu não sei bem o que é
mas é bom de sentir
e de estar
acho que tô em mar


02 julho 2015

POST 1

Faz mais de um mês que essa rotina louca me pegou
sair do casulo, procurar canto, ficar exposta ao mundo
Tô nua
nua de gente
de carinho
de vontade
Tô num escape entre chãos
por onde eu vou não parece ter mão

tô só
o subjetivo se foi e só ficou o nu
acho que gosto do nu
queria era chuva pra preencher esse vazio de tudo

23 junho 2015

NÃO SER

não quero sentir
quero estar e não ser
ser me deixa à flor da pele
pronta a cair em mim

tô fora de mim
ar nenhum me basta
tomo fôlego
recomeço
(Não quero cair de novo)
conto rachaduras e falhas na parede

De novo nesse barco vazio e úmido
de se emaranhar
É a balança que me faz estar

O mundo se fecha enquanto me abro

31 maio 2015

VAZIO

Paredes por todos os lados
coberta, com os olhos pesados demais pra se esforçar
Eu tô aqui
Mil idéias invadem essa cabeça oca
Mais desejos e vontades que fazido de fato
Ansiedade e quietude
Um céu cheio de azul e calma com berrantes gaivotas
Tenta lidar
Eu tô aqui
E também tô lá, e mais onde precisar estar
Me camuflo, reflito, me encaixo nessa selva de máscara
sobra espaço vazio
falta amor

09 novembro 2014

PEDRA

Quando minha mente prende meu corpo
e meus pensamentos não tem fim
em quantidade suficiente pra me fundir num colchão
E a dificuldade em me expressar fica pesada
e me coloca à margem do ideal
Não sou daqui, nem de lá
Não faço parte de nenhum lugar

Sou meu corpo em constante paralisia
Sou minha mente em constante trabalho
Sou uma ansiedade ilimitada
e um pesar de ter consciência sem alvo


08 junho 2014

SERPENTINA

Minha espinha sente
a vida parece funda e fria quando sou eu que estou no chão.
Os olhos saltam, procurando a cor mais próxima
A imensidão do branco
parece infinita

Me parto em milhões pra me fundir de novo
com cores e serpentinas
marcada com amores orquestrais

Seja agora, ou amanhã
eu sou

olhares me encontram com sorrisos
o céu é tão azul que vejo o mundo todo assim, azul
meu corpo me tira pra dançar um samba
sou toda vida
e a vida sou eu

o sereno me cobre, me envolve
todo sonho é real
só é preciso ajeitar os óculos
mudar o grau
se adaptar para sobreviver

a felicidade não chega
sou eu que encontro ela

26 maio 2014

ACONTECE

Meu desânimo de viver é só meu
é simplista e direto
bate de frente com minha vontade

É difícil falar do que a gente não conhece
e ainda assim, continuo falando de mim mesma
ou algumas de mim

A cada amanhecer, uma nova perspectiva
de pular de piso em piso, sem encontrar rebarbas
ou se jogar numa imensa vontade de se enxarcar de vida, de ar
ou de sorrir a qualquer estranho na rua
Essa troca de sorrisos invisíveis chega a ser linda
Divagações acontecem

16 maio 2014

O SOM

O ar fica pesado
embaçado fica meu peito, com pouca força pra verter minha cabeça
olho as nuvens, a jabuticabeira carregada me traz lembranças boas

acredito que um dia posso viver sem amarras
algum dia

Meus ombros já sentem o peso
"Nenhuma boa ação passa impune"
Nunca vi verdade maior

Minhas verdades agora são diferentes
Meu peito agora sente o arrebatamento de gostar
e o som disso é agradável

Estou em outrem


28 abril 2014

SONHO

Um sonho:

Uma rua deserta, cercada por árvores de folhas laranjas
É outono
as calçadas cobertas por folhas 
e o clima é fresco e nublado

Só eu e uma bicicleta
a rua parece infinita como tudo o que sinto
e a sensação é de liberdade plena
O mundo sou eu

ando rápido, e mais rápido
quero sentir o sereno encontrar minha pele
me envolver de maneira que eu não me sinta mais só

suspiro, sorrio e sinto vontade de nunca acabar



14 abril 2014

AMENDOEIRA

Sem nó
Só dois pés em cima de um chão
Duas mãos pra acenar
Dois braços pra agitar

Meus passos contam pares de amêndoas
Daquelas machucadas pela queda alta
Do pé até embaixo
Plantada bem no meio do quintal
E folhas, um bocado de folhas verdes e laranjas cobrindo todo o chão de terra
A sombra fresca me lembra de pequena
da cadeira encostada na calçada, papeando com os vizinhos mais chegados

Ela era tão linda

Seus cabelos grisalhos e longos, enrolados em coque
pele fresca, gostosa
Sinto dor por quem não pôde ouvir sua voz

Ela era tão linda e doce que às vezes me faz chorar de falta.




02 abril 2014

SENTIR

Um sol cresce dentro de você
um mundo inteiro se acomoda lentamente, no seu peito.
O sorriso te estampa, em segundos demorados

Tão rápido

É bonito
olhar a imensidão
do poder
do sentir

As palavras saem, como vento
cada qual, em seu tempo

01 abril 2014



Minha mente está presa em meu corpo
e meu corpo me prende ao chão

Não consigo lidar com a perfeição


23 março 2014

SÓ, EU

Já tentei procurar, queria uma razão,
queria ir a fundo na descoberta de mim mesma.
Fui infeliz.
Ainda não sei quem sou, nem o que posso ser.
Tenho dificuldades para escrever: Como letras.
E tenho sempre que revisar o que escrevo.

Escrever à mão é sempre mais difícil. É como se minha mente e meus dedos não estivessem conectados.
E nem minha boca. Falo algo achando que falo outro.
Já cheguei a pensar no caso de ter dislexia.
Ainda penso nisso.

Ahh, já falei que esqueço palavras o tempo todo? Palavras simples, corriqueiras, que a gente usa o tempo toda. Algo como: saber, enxergar, dia. Palavras bobas.

Me sinto emaranhada numa trama de pressões sociais
estar apta à vida em sociedade é um longo caminho.

Talvez meu corpo seja do mato, do ar
De tudo que seja livre
Que me deixa ir embora e voltar
quando quiser

Mas ainda não sei
e o não saber é o que me mata
dessa vez no vou revisar
tento dexar de lado tantos ensinamentos bobos
Tenho 23 agora, já posso falar de boca cheia
dormir sem banho, me jogar do sétimo andar
ou qualquer outra loucura em que eu queira e jogar

Mais ninguém, só eu.

09 julho 2013

GRACEJO

Foram tantas,
e tantas vezes.

Tantas outras
Tantas faces
cruas, descoloridas feito chão cimento

Me perdi quando tentei entender
olhos marejados não me dão resultados

Só sou enquanto espero só

29 março 2013

Sou cheiro de vida
cheio de vida
na moleza que me criam
me respiram
Sou quase tudo, e nada
nada do que você previamente saiba

sou céu, mar, Amélie, Marion, orvalho e cinzas

não me transfiro a outrem nem desdenho um nato de cá

sou lar

29 novembro 2012

É SOL


estado quase imóvel, olhando, revendo
de um lado pro outro, a cada passo
repasso o que me enche pro toque
pro que não pode me tocar agora, nem hora alguma
meus olhos de mar preferem não se fechar, quase nunca.

estou só, comigo

03 outubro 2012

POESIA

Só o que eu queria era poder não dormir.
Não precisar fechar os olhos, para então
torná-los a abrir.
Sem pausas.
Sem mediações.
Apenas o fluxo do vento direcionando o que vejo:

o agora, sem hora.

13 junho 2012

TEU LUGAR


deixa a porta aberta
atrás da mesa há um lugar
quem sabe esteja aqui?
Tão perto quanto à mim
Vem certo de jogar
Não sinta medo ao andar
Queira perdoar meu jeito
Nem sempre sei pro que não devo olhar
E mesmo já não tendo escolha
Finjo correr pra distante e te olhar

29 março 2012

RECEITA

Pega umas gotas do meu amor pra ti, e destilado, se ponha a beber.
Beba até sentir seu peito ruir, de amor... meu amor. 

Tocando as mãos que cintilam minha cor
Consegue sentir a dor do amor?

15 setembro 2011

MIUDEZA

e meu coração miudinho, sem poder contar do dia, o porquê de lhe parecer miúdo.
procura espaço em qualquer canto quieto, repetidas vezes;
com ouvidos a postos, esperando a vez de se ouvir falar.
Não consegue dizer. Não sabe dizer;
expelir alguma idéia de vontade ou de postura

Vai, e se deixa cair até o céu.
sinta-se longe e leve
e faz com que teu choro seja teu, e de mais ninguém.

04 julho 2011

CONTINUE

São três figuras avistadas: eu, tu, e no ar, algo que não consigo identificar
Um gosto forte, uma vontade grande de se atirar em qualquer canto de verde fresco
O tempo te escapa como paredes brancas, ao pegarem o vermelho, tão facilmente.


Tu tens de mim tudo que podes e não podes
Procura escape e sente-se confortável com o que encontra
Não sei ao certo o que procuras - coisa que nunca sei


Mais um agito entre pernas e posso sentir o que sentes
Acabo por sentir medo de um dia não mais poder sentir
e que esse temor em ar chegue a bater em porta de coração


E é esse mesmo medo da continuação, que me confia o poder de continuar

19 maio 2011

Apresento-lhes, eu em aberto.

Depois de anos à fio
Passando, transitando por mundos distantes
Como algo que transcende sem antes se cogitar a idéia de verter.
Venho aqui com todo carinho
Dizer-lhes que todos são especiais !
SIM ! Todos somos especiais
Ouso dizer que, eu mesma, sou mais do que penso !
Para veres.. às vezes pareço ser sensata, educada, otimista e feliz.
Mas, para que não se assustes poucos minutos depois de me dirigir alguma palavra, faço questão de lhes advertir:

É PERIGOSO!

Viver rodeada de amores, afetos, me traz paz.
Conviver com desamores, dissabores, irrequietudes vespertinas não faz-me pessoa distinta.
A diferença vêm do alto da manhã
Ao monte azul de um céu alaranjado.


'O que és para não querer ser livre?
Gostas de sofrer e viver num vazio de tormentas e ruínas?
Se atrevendo a tocar sem olhar?
Até onde vai os nossos pesadelos? Até quando, diz?!'



Olhar, às vezes me incomoda
Sorriso de canto, me sufoca
Gosto do que é limpo e salgado
Num beijo, quase sempre, me calo.
A ausência das palavras me desanima.
Sinto falta do que está na ida.

Vejo sols laranjas, nuvens vermelhas, chuvas torrenciais, e uma gota de orvalho em cada sorriso.
Gosto de você ! Gosto de todos nós !

Estou no tempo, e é bom brincar de ser o tempo.
Só ter muito cuidado para não se confundir e se deixar cair no vazio disperso que há em tantos corações.

Não me sinto melhor que alguém.
Sei que sou feliz, porém.. Às vezes é bom sentir que faço bem.
Hipotético.

Talvez por ser pudico.
Talvez.. Os 'talvezes' só aumentam minha confusão. Devaneios infindáveis me sucumbem a idéia da ilustração.

Eu vivo, respiro, pinto paredes.
Gestos bruscos, pausados, repassados
Entre mãos, pressas e presas !

03 abril 2011

DE MUZIEK

Meu ar se comprime em leves respiradas a cada 10 segundos
O tempo é senhor idoso e generoso perto do tantinho que me quer bem.

Não sei se é você ou se sou eu
mas vê-lo sorrir é mar
Te tornas meu reflexo em céu
deixo-te apenas poucos segundos
segundos demorados, longos, envoltos, imersos em devaneios infindáveis.
contigo, comigo.

is de muziek!


24 janeiro 2011

QUEM VEM LÁ?

O sertanejo num roçado..
Quase esquecido por seus hábitos rudimentares.
Candidamente ao se expressar.

Casinha humilde, de pau a pique.
Seu melhor amigo!? O cotidiano.
Também o sol, que, quase sempre, faz companhia a suas mãos firmes de trabalhador.
Verdadeiro erudito !
A lassidão do sertão, só o fez mais crente de que existe um Deus.
Não um Deus de pedra.
Um Deus de coração, que se faz companheiro, quando em solidão, sente perder seu chão.

Temos muito dele.
Temos pouco pra falar.
Pode ser difícil, mas existir, já foi condiderado um fato quase impossível.